A Ascribu

Há mais de 40 anos a referência da bubalinocultura no Rio Grande do Sul

Origem

O primeiro registro de búfalos no Estado foi na Revista Estância, editada pela União dos Criadores do Rio Grande do Sul, em 1914. Na publicação, fotos da Fazenda do Arvoredo, em Barra do Ribeiro, mostravam os animais. Algum tempo depois, na década de 1940, o Cel. Marcial Terra trouxe alguns lotes de búfalos para suas fazendas em Tupanciretã. A partir dos anos 1950, começaram a surgir pequenas criações comerciais de búfalos no Estado.


Fundação

Com o crescimento na criação dos animais no Rio Grande do Sul, viu-se uma necessidade de uma entidade que reunisse informações sobre os búfalos para os criadores daqui. Então, com a ajuda do Dr. Caio Porster e por iniciativa do Dr. Getúlio Marcantonio, a Associação Sulina de Criadores de Búfalos, a Ascribu, foi fundada no dia 21 de setembro de 1978, nas dependências da Secretaria da Agricultura. Naquela época, o Estado contava com cerca de 4.000 cabeças de búfalos.


Tradição

Com 40 anos de história, a Ascribu segue dando suporte aos criadores gaúchos de búfalos, esclarecendo dúvidas, desmistificando este animal e colaborando para o crescimento desta cultura tão importante. Hoje em dia, o número de búfalos passa de 70.000 por todo o Rio Grande do Sul, mas estamos trabalhando constantemente para que este número cresça cada vez mais. A história da Ascribu foi construída com a ajuda de diversas pessoas que acreditam na cultura bubalina. Importantes nomes de criadores do Estado já estiveram à frente da Associação que, atualmente, é presidida por Delfino Beck Barbosa, da Fazenda Panorama, em Camaquã.